Variações linguísticas- Patativa do Assaré


EE.ADVENTOR DIVINO DE ALMEIDA
Disciplina Língua Portuguesa
Prof ª Daiane
Aluno(a)_______________________________________



1. Leia atentamente o texto seguinte e, depois, responda às questões.


Coisas do Meu Sertão

Seu dotô, que é da cidade
Tem diproma e posição
E estudou derne minino
Sem perdê uma lição,
Conhece o nome dos rios,
Que corre inriba do chão,
Sabe o nome de estrela
Que forma constelação,
Conhece todas as coisa
Da historia da criação
E agora qué i na Lua
Causando admiração,
Vou fazê uma pergunta,
Me preste bem atenção:
Pruque não quis aprendê
As coisa do meu sertão?

Por favô, não negue não
Quero que o sinhô me diga
Pruquê não quis o roçado
Onde se sofre de fadiga,
Pisando inriba do toco,
Lacraia, cobra e formiga,
Cocerento de friêra,
Incalombado de urtiga,
Muntas vez inté duente,
Sofrendo dô de barriga,
Mas o jeito é trabaiá
Que a necessidade obriga.
(...)

(Patativa do Assaré)

derne: forma regional, equivalente a desde.
inriba: forma regional, equivalente a em cima, sobre.
incalombado: cheio de calombos.
a) Como você acha que é o sertanejo do poema de Patativa do Assaré?

b) Você conhece alguém que fale do mesmo modo que o sertanejo? De que região do Brasil é essa pessoa?

c) Re-escreva na língua padrão os seguintes versos:
"Tem diproma e posição E estudou drne minino Sem perdê uma lição, Conhece o nome dos rios, Que corre inriba do chão,"

d) Como você imagina que é o "dotô" a quem o sertanejo dirige a palavra?

e) Quem fala "mais correto" o sertanejo ou o doutor? Justifique a sua resposta.

f) No Brasil existem contrastes tão grandes como o "dotô" e o sertanejo "coerento de frieira". Esse contraste é facilmente notado na maneira de falar dessas pessoas? Justifique.

g) Podemos encontrar no texto de Patativa duas variações lingüísticas. Assinale-as:

( ) Variação social
( ) Variação temporal
( ) Variação Regional


Antônio Gonçalves da Silva, dito Patativa do Assaré, nasceu a 5 de março de 1909 na Serra de Santana, pequena propriedade rural, no município de Assaré, no Sul do Ceará. É o segundo filho de Pedro Gonçalves da Silva e Maria Pereira da Silva. Foi casado com D. Belinha, de cujo consórcio nasceram nove filhos. Publicou Inspiração Nordestina, em 1956, Cantos de Patativa, em 1966. Em 1970, Figueiredo Filho publicou seus poemas comentados Patativa do Assaré. Tem inúmeros folhetos de cordel e poemas publicados em revistas e jornais.
Cresceu ouvindo histórias, os ponteios da viola e folhetos de cordel. Em pouco tempo, a fama de menino violeiro se espalhou. Com oito anos trocou uma ovelha do pai por uma viola. Dez anos depois, viajou para o Pará e enfrentou muita peleja com cantadores. Quando voltou, estava consagrado: era o Patativa do Assaré. Nessa época os poetas populares vicejavam e muitos eram chamados de 'patativas' porque viviam cantando versos. Ele era apenas um deles. Para ser melhor identificado, adotou o nome de sua cidade.
Patativa só passou seis meses na escola. Isso não o impediu de ser Doutor Honoris Causa de pelo menos três universidades. Não teve estudo, mas discutia com maestria a arte de versejar. Desde os 91 anos de idade com a saúde abalada por uma queda e a memória começando a faltar, Patativa dizia que não escrevia mais porque, ao longo de sua vida, 'já disse tudo que tinha de dizer'. Patativa morreu em 08 de julho de 2002 na cidade que lhe emprestava o nome.

Um comentário:

  1. Apesar de ser uma pessoa com pouco acesso a alfabetização, Patativa do Assaré é um grande autor e conseguiu, através de sua humilde linguagem, representar como ninguém o homem e a natureza do sertão.

    Bom trabalho!

    ResponderExcluir